Como aprender a investir? Veja 10 dicas!

Você tem planos para o futuro, como fazer a viagem dos seus sonhos, abrir um negócio ou se aposentar? Talvez sua intenção seja sair das dívidas e começar a guardar dinheiro. Não importa quais sejam seus objetivos, é essencial dar os primeiros passos o quanto antes.

O que diversos desses planos têm em comum é que exigem recursos financeiros. Assim, é muito útil saber como investir.

Não se trata apenas de guardar algum dinheiro de vez em quando. Com uma estratégia bem definida, você tem mais chances de alcançar os seus objetivos.

Se você é um investidor iniciante e quer entender como aprender a investir, continue lendo para encontrar 10 dicas de investimento!

O que é investir?

Antes de aprender como começar a investir, é importante que alguns conceitos fiquem claros para você. Para começar, o termo “investir” significa fazer o seu dinheiro render. Isso ocorre a partir da remuneração que os investimentos oferecem.

Se você investe o seu dinheiro, ele fica sujeito a uma rentabilidade, que pode ser positiva ou negativa. Assim, depois de certo período, é possível observar o lucro proveniente do investimento.

Naturalmente, existem inúmeras alternativas de investimento, que podem fazer parte da renda fixa ou da renda variável. O desafio é encontrar as melhores alternativas, otimizando a conquista de seus objetivos.

Claro, é preciso cuidar para manter o risco em um nível que você considere adequado. Mais à frente falaremos sobre como fazer isso, certo?

Mas, antes, é importante você entender que economizar, poupar e investir não são a mesma coisa.

Qual é a diferença entre economizar, poupar e investir?

Se você quer saber como aprender a investir, é importante compreender os três termos. “Economizar” se refere a reduzir despesas. Por exemplo, se você decide gastar menos na próxima compra no supermercado ou cortar algum custo, estamos falando sobre economizar.

Quanto ao termo “poupar”, ele tem relação com guardar dinheiro. Por exemplo, talvez você consiga guardar dinheiro ao receber seu 13º salário ou um extra de algum projeto. Pode ser que o valor fique sobrando na sua conta-corrente ou seja guardado em outro local.

Nesse caso, é preciso ter em mente que você está poupando, mas não está investindo. O motivo é que investir está ligado a ter uma estratégia. Envolve escolher investimentos do mercado financeiro e buscar maneiras de encontrar rentabilidade com seu dinheiro.

Assim, fica claro o quanto é importante economizar. É justamente isso que faz você ter dinheiro suficiente para poupar e, então, investir, certo?

Por que é importante fazer investimentos?

Você já entendeu os conceitos de economizar, poupar e investir. Antes de trazermos algumas dicas para quem deseja dar os primeiros passos, vamos apenas relembrar a importância de fazer investimentos.

Em poucas palavras, eles são importantes para que você alcance suas metas pessoais, seja de curto, médio ou longo prazo.

Para obter o sustento e conseguir recursos para realizar seus objetivos, você tem o seu trabalho. No entanto, o dinheiro pode trabalhar também, o que ocorre a partir dos juros compostos. Quando os rendimentos se juntam ao montante investido, eles ficam sujeitos ao efeito da rentabilidade.

Desse modo, quanto mais o tempo passa, mais o seu dinheiro pode se multiplicar, de modo a gerar renda passiva. Ou seja, você não está trabalhando ativamente para recebê-la.

Além da possibilidade de ganhar dinheiro com investimentos, é essencial pensar no efeito da inflação sobre o seu patrimônio. Afinal, deixar o dinheiro sem rendimentos (ou com baixa rentabilidade, como a poupança) pode fazer o montante se desvalorizar com o tempo.

Isso ocorre quando a rentabilidade não é suficiente para repor a desvalorização decorrente da inflação. Esse é mais um motivo para aprender a investir de maneira estratégica, e é sobre isso que você lerá a seguir.

Como aprender a investir? Veja 10 dicas!

Agora já está claro para você por que os investimentos são tão importantes, não é mesmo? Se você deseja saber como aprender a investir, confira as 10 dicas que separamos para vocês!

Confira!

1. Organize suas finanças

Para começar a investir, suas finanças precisam estar organizadas. Algumas pessoas não têm informações precisas sobre o quanto ganham e quanto gastam. Apenas recebem o salário todo mês e, muitas vezes, utilizam até mesmo o cartão de crédito ou cheque especial como parte da renda.

Isso gera descontrole e cobrança de juros que minam o seu orçamento. Quanto ao cartão de crédito, há pessoas que fazem diversas compras parceladas, chegando a perder a noção de quanto devem. Desse modo, a abertura de uma nova fatura acaba se tornando um momento de surpresa.

Se você está em uma situação parecida, é preciso mudar para ter condições de investir. Sem uma mudança, nunca sobrará dinheiro para guardar. Sendo assim, comece por listar todas as suas despesas e receitas para ter uma visão geral da sua situação financeira.

2. Faça um planejamento financeiro

Enquanto organiza suas finanças, é importante fazer um planejamento financeiro. Para isso, você pode usar papel e caneta ou ferramentas com mais recursos, como aplicativos e planilhas de cálculo.

Durante a organização financeira, você listou as suas despesas, mas agora é hora de organizar sua planilha por mês e fazer projeções para os próximos meses. Algumas despesas são fixas, e não será difícil registrar os valores delas.

Já outras são variáveis. É essencial anotá-las também. Você pode estimar o valor com base no que tem gastado. Com a projeção, saberá como estará sua situação financeira nos meses à frente. Isso dará uma visão do que será preciso para ficar no positivo e, ainda, separar dinheiro para investir.

3. Obtenha uma renda extra

Enquanto você se organiza e se planeja, pode acabar se deparando com uma dificuldade: falta de dinheiro para colocar as finanças em ordem. Isso costuma acontecer com pessoas que têm um custo de vida mais alto do que a renda ou estão endividadas.

É verdade que economizar pode ajudar, mas talvez isso não traga um resultado expressivo e imediato. Por isso, pense em maneiras de ganhar algum dinheiro extra. Uma possibilidade seria vender certos objetos que você tem e não estão sendo usados.

No entanto, embora isso possa gerar dinheiro extra, não se trata de uma renda recorrente. Para isso, pense em algum serviço que você possa fazer fora do horário de trabalho. Talvez tenha certa habilidade que pode se transformar em uma renda a mais. Aproveite-a!

4. Defina quanto você investirá por mês

Há pessoas que guardam dinheiro, mas não com frequência. Elas ficam aguardando a entrada de algum recurso específico, o que às vezes acontece no décimo terceiro salário ou quando ganham algum bônus. No entanto, investir para alcançar objetivos requer disciplina e consistência.

Por isso, ao organizar e planejar suas finanças, defina o valor exato que será separado mensalmente para os investimentos. Algumas pessoas seguem a regra 50-30-20:

  • 50% da renda para as despesas essenciais;
  • 30% para as despesas opcionais;
  • 20% para os investimentos.

Outros indicam uma proporção diferente: 50-35-15. Mas o importante é você definir quanto será separado para os investimentos. Pode até ser menos, de acordo com as suas possibilidades. O importante é determinar um valor e criar o hábito de investir.

Mais uma dica importante é a ideia do “pague-se primeiro”. Logo que o seu salário surgir na conta, a primeira coisa a fazer é separar o valor definido e investi-lo. Quando o objetivo é deixado para o final do mês, o risco de gastar com outras coisas aumenta muito.

5. Forme uma reserva de emergência

Depois de ter se organizado financeiramente, é hora de começar a guardar dinheiro, ou melhor, investir. É verdade que cada pessoa tem objetivos diferentes, mas existe algo que é comum a todos: a necessidade de formar uma reserva de emergência.

Talvez você ache interessante a ideia de investir em alternativas mais arriscadas, já que elas geralmente oferecem a perspectiva de uma rentabilidade maior. No entanto, antes de dar esse passo, é essencial ter um fundo para lidar com imprevistos.

É ele que ajudará você a resolver emergências sem se endividar. Na etapa de organização financeira, você fará um levantamento de todas as suas despesas mensais, lembra? Esse montante será usado como referência para sua reserva.

O ideal é ter reservado o suficiente para pagar, pelo menos, seis meses do seu custo de vida. Em alguns casos, as pessoas podem preferir ter uma reserva maior. Defina qual é o valor ideal para você e comece a montar o seu fundo de emergência.

6. Abra uma conta em uma corretora de investimentos

Para ter acesso a uma grande variedade de alternativas de investimentos, é preciso abrir conta em uma corretora de investimentos. A próxima etapa é transferir dinheiro para ela e fazer movimentações.

O objetivo é justamente fazer movimentações de investimentos. Depois que você abre sua conta e transfere dinheiro para ela, poderá começar a escolher as alternativas mais adequadas. Há inúmeras possibilidades na renda fixa e na renda variável — e você deve aprender sobre elas.

7. Conheça as alternativas do mercado

Quando o investidor iniciante se dá conta da variedade de investimentos que o mercado financeiro oferece, é natural que se sinta perdido. São diversas alternativas, com rentabilidades e riscos diferentes, em ambas as classes de investimentos.

Sendo assim, o que fazer para tomar boas decisões? O melhor é se informar sobre o assunto, procurando conhecer cada possibilidade disponível no mercado. Deixar de fazer isso aumenta muito os riscos de fazer escolhas equivocadas.

Por isso, continue estudando sobre investimentos, assim como você está fazendo agora, enquanto lê este artigo. Desse modo, suas decisões relacionadas com finanças colaborarão para que alcance os seus objetivos.

8. Conheça o seu perfil de investidor

Para escolher um investimento adequado, é fundamental ter em mente o seu perfil de investidor. Isso porque ele deixa claro qual é a sua tolerância ao risco. Quem tem um perfil conservador prefere não correr risco ao investir.

Investidores arrojados, por outro lado, são bem tolerantes ao risco. Assim, eles costumam escolher investimentos arriscados, desde que tenham a perspectiva de obter uma rentabilidade melhor. Já o perfil moderado tem alguma tolerância ao risco, mas também gosta de certo nível de segurança.

Ter em mente o seu perfil de investidor ajuda muito na escolha de investimentos. Ao avaliar as opções, será possível conhecer o risco de cada uma e saber se ela está adequada ao que você deseja.

9. Defina seus objetivos

Além de descobrir qual é o seu perfil, é fundamental definir objetivos. Falamos bastante sobre eles neste artigo, percebeu?

Objetivos podem ser os mais diversos, mas eles podem ser divididos de acordo com os prazos:

  • curto prazo — aqueles que você levará até cerca de um ano para atingir;
  • médio prazo — aqueles que você levará até cinco anos para atingir;
  • longo prazo — aqueles que você levará mais de cinco anos para atingir.

É importante definir objetivos porque cada investimento é voltado para um horizonte de tempo diferente. Quando não há compatibilidade entre o prazo do objetivo e o prazo do investimento, você pode enfrentar frustração ou mesmo prejuízo.

10. Monte uma carteira de investimentos diversificada

Com as dicas que viu até aqui, você consegue montar uma carteira diversificada. Considerando o seu perfil e os seus objetivos, certamente não será possível encontrar um só investimento. E, de fato, isso não é aconselhável. O melhor é escolher diversas opções que se adéquam às suas metas.

A reserva de emergência, por exemplo, deve estar em um investimento seguro e que permita resgate a qualquer momento. Entre as alternativas com tais características está o Tesouro Selic, negociado no Tesouro Direto.

Depois de formar sua reserva de emergência, você terá muitas possibilidades de diversificação de investimentos. Eles incluem outros títulos da renda fixa, Fundos de Investimento, ETFs (Fundos de Índice), Ações, etc. Lembre-se de diversificar seus riscos e prazos.

Com essas 10 dicas de como aprender a investir, você terá maiores chances de fazer bons investimentos. Mas é natural que surjam dúvidas ao longo do caminho. Por isso, certifique-se de contar com uma fonte confiável de informações, como é o caso do nosso blog!

Fonte: Blog Genial Investimentos