Como criar uma planilha de controle financeiro eficiente?

Quem deseja ter um bom planejamento do orçamento e identificar onde poupar precisa de uma planilha de controle financeiro. Ela é uma ferramenta essencial para conseguir controlar os gastos e a renda.

Você sabe para onde os seus recursos vão todos os meses? Quais são os serviços em que há mais despesas? Quais seus gastos fixos e variáveis? Muitas pessoas não controlam esses fatores e podem se surpreender negativamente com o resultado.

Neste conteúdo você aprenderá o que é uma planilha de controle financeiro, verá sua importância e saberá como criar uma. Continue a leitura!

O que é uma planilha de controle financeiro?

Uma planilha de controle financeiro (ou de gastos mensais) é um sistema para anotar todos os dados referentes ao orçamento. Ela pode ser feita de forma automatizada ou mesmo manual, mas seu objetivo principal é organizar suas contas.

Para isso, nela são inseridas todas as informações para fazer a gestão de suas finanças. Desde gastos do dia a dia até os rendimentos de suas aplicações. Dessa forma, é possível analisar os dados com mais precisão.

Com uma planilha eficiente qualquer pessoa consegue separar seus gastos por categorias. Alguns exemplos são moradia, alimentação, lazer, saúde, transporte, educação, serviços etc. Sua renda também pode vir de diversas fontes, então isso deve ser detalhado – ampliando sua percepção em relação aos seus custos e ganhos.

Assim, você começa a construir um controle sólido sobre as suas finanças, acompanhando a progressão mês a mês. O hábito traz diversas vantagens, principalmente para quem deseja incluir a educação financeira no cotidiano e fazer um bom planejamento.

Quais as vantagens de criar a sua?

Você deve ter percebido que a planilha financeira tem um papel fundamental na hora de manter o controle e gerir melhor suas finanças, não é mesmo? Mas, além disso, existem diversas vantagens que a ferramenta pode trazer para a sua vida.

De forma geral, a planilha gera mais organização financeira pessoal. Com ela é possível detalhar todas as informações de cada mês ou de algum período à sua escolha. Assim, você analisa a evolução dos seus ganhos e gastos e pode projetar os próximos passos em relação ao seu dinheiro.

A ferramenta também ajuda no pagamento de suas obrigações. Anotando a data de vencimento de cada conta ou despesa, não haverá contas em atraso. Por outro lado, se há dinheiro a receber, é possível identificar essas pendências e organizar eventuais cobranças.

Além da própria organização e controle das finanças, a planilha serve como importante ferramenta para um bom planejamento financeiro. Afinal, com ela, fica mais fácil visualizar em quais setores você pode gastar menos e quanto é possível poupar todo mês.

Dessa forma, é possível traçar objetivos de curto, médio e longo prazo e encontrar oportunidades para investir, poupar e guardar dinheiro. E, como consequência melhorar sua saúde financeira.

Afinal, se você tem o desejo de se planejar para alcançar uma meta, o primeiro passo é o controle. Então saiba seus ganhos e custos, avalie onde cortar despesas e comece a traçar o seu futuro.

Como você viu, com o auxílio de uma boa planilha de gastos mensais a tarefa de organizar as finanças se torna muito mais simples.

Como criar uma planilha de controle financeiro eficiente?

Agora você conhece a importância de manter uma planilha de controle financeiro. Todavia, é fundamental montá-la de forma personalizada e eficiente.

Lembre-se de que, se os dados ficarem desorganizados, será difícil utilizá-la de modo satisfatório. Então confira nossas dicas para criar a melhor planilha de controle financeiro para o seu dia a dia!

Escolha a ferramenta

Apesar de anotações manuais ainda serem úteis, é certo que uma planilha eficiente deve ser feita utilizando programas específicos. As ferramentas mais utilizadas são o Excel, da Microsoft, e o Sheets (ou apenas Planilhas) da Google.

O Excel é mais conhecido e muitas pessoas já sabem utilizá-lo, então pode ser uma boa escolha para dar o primeiro passo. Porém, o Sheets possuiu as mesmas funcionalidades e salva as alterações automaticamente no Google Drive, facilitando os backups. Aqui, escolha aquela com a qual tiver mais afinidade.

Além delas, você também pode optar por aplicativos específicos disponíveis no mercado. Existem uma infinidade à disposição de quem deseja organizar as contas e controlar as finanças.

Liste duas fontes de renda

Após escolher a ferramenta, é hora de listar suas fontes de renda. Aqui, nossa dica é ter uma coluna para inserir cada categorias de rendimentos. Por exemplo, salário, pró-labore, aluguéis, dividendos, investimentos, e outros.

Ao fazer a planilha pela primeira vez, sempre deixe espaços para adicionar novos dados posteriormente. Isso é importante porque é comum esquecer alguns detalhes ao inserir as informações. Dessa forma, você consegue adicioná-los no futuro sem comprometer a formatação.

Divida os gastos por categoria

O próximo passo é criar outra tabela dentro da mesma planilha. Você a utilizará para anotar os seus gastos. Procure deixar a estrutura fácil para organizar as informações e ter um documento visualmente agradável.

Da mesma forma que no espaço para suas rendas, deve haver campos livres para as diversas categorias de gastos. Organize-os pensando em todas as despesas recorrentes. Uma boa ideia é diferenciar por gastos fixos e variáveis.

Os gastos fixos são aqueles que acontecem todos os meses e seu valor não varia, ou mudam muito pouco. Já os custos variáveis são aqueles que mudam todo o mês de acordo com a frequência e intensidade do uso.

Exemplos de gastos fixos são o aluguel, escola dos filhos, financiamento, IPTU, seguros etc. Até mesmo água e luz podem ser considerados gastos fixos, pois fazem parte do seu custo mensal e costumam variar pouco.

Os gastos variáveis, por sua vez, podem incluir alimentação, transporte, lazer, vestuário entre outros.

Insira os dados

Depois de formatar toda a planilha de acordo com gastos e ganhos, é o momento de inserir os dados. Se você tem as informações anotadas com exatidão, pode construir a tabela de forma retroativa. Porém, se não tem certeza de todos os dados dos meses passados, comece do dia atual.

Coloque as informações sobre ganhos primeiro, com valores exatos — inclusive centavos. Complete todo o mês com a sua renda e passe para os gastos. É importante criar uma rotina para anotar as despesas assim que elas ocorrem.

O hábito é necessário para que as informações sejam precisas. É difícil chegar ao fim do mês e ter todos os comprovantes e cupons de compras, não é mesmo? Por isso, reserve um tempo do seu dia para essa tarefa. Com disciplina, será muito mais fácil organizar as informações com eficiência.

Faça a conta final

A conta para saber o que sobrou — ou faltou — durante o mês também é importante. Se você utiliza um programa ou app, ele pode fazer isso por você. Nas planilhas, por exemplo, basta inserir uma fórmula que somará todos os ganhos de determinado período. O resultado deve ser subtraído da soma dos gastos.

A partir desta conta final você conseguirá avaliar como tem cuidado do seu dinheiro e dar os primeiros passos para organizar e controlar suas finanças de maneira muito mais adequada e realista.

Entendeu a importância de ter uma planilha de controle financeiro no seu dia a dia?  Agora que você já sabe como montá-la, não se esqueça de que é fundamental manter o hábito de incluir as informações de forma recorrente e acompanhar a evolução do seu planejamento!

Fonte: Blog Genial Investimentos