Como funciona a bolsa de valores e como começar a investir?

A renda variável traz diversas oportunidades para os investidores, especialmente para quem busca mais potencial de rentabilidade e tem tolerância a riscos. Porém, antes de fazer aportes, você precisa entender como funciona a bolsa de valores.

É preciso conhecer os investimentos disponíveis, as vantagens e os riscos existentes para conseguir fazer boas escolhas. Outro ponto importante é saber quais são os passos que devem ser seguidos para investir.

Quer aprender tudo isso? Continue a leitura e confira o nosso guia para saber como funciona a bolsa de valores e como investir nela!

O que é a bolsa de valores?

A bolsa de valores é um ambiente destinado à negociação de valores mobiliários. Nela o investidor tem acesso a diversas possibilidades. Por exemplo, Ações, costas de Fundos de Investimento Imobiliário, derivativos de commodities, moedas etc.

Com a adoção das tecnologias, o seu funcionamento é eletrônico, com transparência e facilidade para quem deseja investir. O papel da bolsa é proporcionar um ambiente seguro aos investidores e demais envolvidos nas negociações.

O que é a B3?

A B3 é a bolsa de valores do Brasil. Seu nome remete a Brasil, Bolsa e Balcão – B3. A bolsa brasileira passou por diversas fases durante a sua história. Afinal, no passado, o país possuía diversas bolsas de valores espalhadas pelos estados.

Em 1970 a Bovespa, que era a bolsa de São Paulo, começou a se destacar, tornando-se a maior do país. No ano de 2000 todas as bolsas se uniram, mantendo a nomenclatura Bovespa. Assim, ela passou a concentrar as operações de todo o país.

Depois, em 2008, ela se fundiu à Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros (BM&F). Com isso, se tornou a BM&F Bovespa, realizando ainda mais operações. Por fim, em 2017, aconteceu a fusão com a Central de Custódia e Liquidação Financeira de Títulos (Cetip), quando se tornou a B3.

Como funciona a bolsa de valores na prática?

É importante saber que existem ambientes diferentes na bolsa. Para começar, temos o mercado à vista. Lá é onde acontece a compra e venda direta de Ações, cotas de alguns fundos e outras modalidades. Também são negociadas as Opções, que são exemplos de derivativos.

Outra forma de operar na bolsa é por meio do mercado a termo. Nesse caso, ele consiste na negociação feita entre investidores, com um contrato de compra e venda por tempo determinado. Após o prazo combinado, a operação é liquidada e o comprador pagará o valor estabelecido.

Por fim, ainda há o mercado futuro. Ele tem um papel bastante importante na bolsa de valores, pois é nele que se concentram os contratos futuros. Logo, as operações são feitas com um prazo de vencimento.

Nesse mercado não há operação de ativos, mas de contratos vinculados a eles, como commodities, moedas, Ações, índices ou juros. Ou seja, ele envolve os derivativos e é bastante utilizado para hedge (proteção da carteira) ou especulação.

Como funcionam as Ações na bolsa?

As Ações são o investimento mais conhecido quando se fala em investir na bolsa. Contudo, existem diferentes tipos disponíveis no mercado. Se você pretende investir, principalmente com foco no longo prazo, é importante entender a diferença entre eles.

Existem três grupos principais de Ações que podem ser adquiridos pelo investidor. Aprenda como eles funcionam!

Ordinárias (ON)

As Ações Ordinárias são aquelas que garantem o direito de voto nas assembleias. Assim, o investidor faz parte das decisões da companhia — sempre conforme o percentual de sua participação no capital social. Por isso, sócios minoritários não têm tanta influência.

As Ações Ordinárias costumam ser negociadas com tickers (códigos dos ativos na bolsa) terminados em 3.

Preferenciais (PN)

As Ações preferenciais, em regra, não dão direito a voto, mas têm como benefício a preferência na distribuição de dividendos. Em caso de liquidação da companhia, eles também terão prioridade no eventual reembolso de valores referentes aos papéis.

Portanto, elas podem ser a opção ideal para investidores que não têm interesse em participar das decisões da companhia. No ticker, o código de uma Ação preferencial costuma terminar em 4.

Units

As Units são certificados de depósito de Ações. Elas representam um conjunto de ativos de uma empresa, podendo incluir papéis preferenciais e ordinários, além de bônus de subscrição. É como se o investidor adquirisse um pacote.

Nesse caso, elas costumam ser representadas pelo número 11 após o ticker. Contudo, o algarismo também é utilizado para identificar Fundos de Investimento Imobiliário e outras modalidades na bolsa, como os ETFs. Portanto, é preciso ter atenção no momento da compra.

O que é o índice Ibovespa?

Quando o tema é a bolsa de valores, é comum ouvir sobre o índice Ibovespa. Você sabe do que se trata? Também conhecido como IBOV, ele mede as variações da bolsa de valores e é um termômetro do mercado.

O Ibovespa retrata uma carteira teórica de papéis da B3, que são escolhidos seguindo critérios específicos. Basicamente, ele considera empresas com maior volume financeiro e liquidez, mas existem outros fatores usados nessa composição.

Por sua abrangência, o IBOV costuma ser utilizado como benchmark pelos investidores em Ações. É possível comparar o desempenho do índice com o de sua carteira ou de um Fundo de Ações, por exemplo.

Quais as vantagens de investir na bolsa?

Muitos investidores fazem aportes na bolsa de valores porque ela proporciona algumas vantagens. Uma delas é a oportunidade de diversificação da carteira, ampliando as alternativas disponíveis para montar o portfólio.

São diversas alternativas, como Fundos de Investimento Imobiliários, Fundos de Índice, Ações, contratos futuros etc., relacionados a setores variados da economia. Ao diversificar, é possível potencializar os rendimentos e ter mais equilíbrio sobre os riscos.

Outro benefício é o potencial de rentabilidade – já que, na renda variável, não existem as limitações presentes na renda fixa. Desse modo, o investidor encontra mais possibilidades de lucro. Contudo, isso se dá pela exposição a maiores riscos, logo, a rentabilidade não é garantida.

Em algumas oportunidades da bolsa, é possível lucrar tanto com a valorização de preço dos papéis quanto com dividendos. Ademais, a bolsa de valores também é acessível.

Não é preciso ter grandes valores para entrar nesse mercado. Existem diversas opções disponíveis para investidores de menor capital.

Quais são os riscos existentes?

Como você já sabe, a bolsa de valores é um ambiente que traz riscos ao investidor. Os ativos podem sofrer desvalorização. As empresas, no caso das Ações, ainda têm riscos específicos do negócio, como a falência. Se a companhia passar por dificuldades, os resultados podem ser afetados.

Outra questão referente aos riscos trata da liquidez, que é a facilidade em converter o investimento em dinheiro. Dependendo do volume de negociações, a tarefa pode se tornar mais difícil. Em alguns casos, pode ser necessário diminuir o preço para fazer a venda.

Dessa maneira, o investidor precisa avaliar todos os riscos e seus possíveis impactos antes de começar a investir na bolsa. Somente assim é possível ter segurança para tomar as melhores decisões sobre a sua carteira.

De que maneira é possível ganhar dinheiro na bolsa de valores?

Existem duas maneiras principais de ganhar dinheiro na bolsa de valores: com foco em longo prazo ou por meio da especulação. Você sabe qual é a diferença entre as estratégias?

No primeiro caso, o objetivo costuma ser ter rendimentos ao longo do tempo. Ela também é chamada de buy and hold, pois consiste em comprar e manter os ativos em sua carteira. É comum buscar Ações de companhias que distribuam maiores proventos, por exemplo.

Com foco no longo prazo, o investidor deve analisar os fundamentos das empresas ou fundos para encontrar os que têm um bom potencial de valorização no mercado. Assim, no futuro, ele pode ter ganho de capital vendendo seus ativos ou cotas.

Quando se trata de especulação, o objetivo é lucrar no curto prazo. Nesse caso, não é necessário avaliar a qualidade das empresas, pois o foco está na oscilação nos preços. A ideia é ter ganhos com a compra e venda em breve. Para isso, é comum utilizar operações como o day trade e swing trade.

A análise do especulador é mais técnica, considerando projeções nos preços para tentar identificar oportunidades. Nesse tipo de estratégia, é importante ter conhecimentos sobre análise gráfica para acompanhar o mercado, além de ter mais tolerância aos riscos.

Quais são os investimentos disponíveis na bolsa?

Depois de entender como funciona a bolsa de valores, vale a pena conhecer melhor os investimentos disponíveis. Isso ajudará a compor uma carteira diversificada, avaliando diferentes ativos.

A seguir, você irá conferir as principais alternativas que esse ambiente oferece:

Ações

As Ações, como você já sabe, são os ativos mais lembrados quando se fala em bolsa de valores. Elas se referem a uma parte de uma companhia de capital aberto. Ao adquirir e manter os papéis na carteira, você participa dos resultados da empresa.

Com isso, pode ter rendimentos por meio da distribuição dos proventos, como dividendos ou juros sobre o capital próprio. Nesse caso, quando a empresa tem um desempenho positivo, o investidor obtém retornos.

Também há a rentabilidade no momento da venda, caso aconteça a valorização das Ações ao longo do tempo. Em relação às oscilações de preço, como você viu, é possível lucrar com a especulação. Nesse caso, o trader (aquele que especula na bolsa) pode ter ganhos tanto com a alta quanto com a queda no mercado.

ETFs

Os Exchange Traded Funds (ETFs) são os Fundos de Índice. Trata-se de Fundos de Investimento cuja composição do portfólio busca espelhar determinado índice.

Por exemplo, é possível encontrar ETFs que buscam replicar os resultados do Ibovespa. Porém, os índices espelhados não se limitam aos relacionados às Ações. É possível ter índices de renda fixa, de Fundos Imobiliários etc., expandindo as opções do investidor.

Uma das particularidades dos ETFs é que os ativos que compõem o portfólio são administrados por um gestor profissional. Logo, é possível se expor à renda variável com mais facilidade e acessibilidade, além de aumentar a diversificação.

Fundos Imobiliários

Outra oportunidade disponível na bolsa de valores são os Fundos de Investimento Imobiliário (FII). Também administrados por gestores profissionais, o foco são ativos do mercado de imóveis. Existem diferentes tipos de FIIs, veja só:

  • fundos de tijolo: focam nos imóveis físicos, com objetivo de lucrar com a venda, aluguéis e outras operações;
  • fundos de papéis: investem em ativos relacionados a esse mercado, como as Letras de Crédito Imobiliário (LCI);
  • fundos de fundos: eles são compostos por cotas de outros FIIs, que podem ser de variados tipos.

Vale destacar que essas não são as únicas alternativas disponíveis na bolsa de valores. Operar com derivativos e até mesmo ter acesso a investimentos no exterior, com os BDRs, podem ser uma opção para o investidor que deseja se expor à renda variável.

Como começar a investir na bolsa?

Você tem interesse em aportar na bolsa de valores? Então é importante entender como investir. Ela traz alternativas interessantes para quem deseja diversificar a carteira ou buscar possibilidades com maior rentabilidade.

Porém, é preciso ter atenção a alguns pontos para acertar na decisão. Confira!

Avalie o seu perfil de investidor

Todas as decisões sobre investimentos precisam considerar o seu perfil, que pode ser conservador, moderado ou arrojado. Ele trata da maneira como você lida com os riscos e ajudará na escolha dos ativos mais adequados para a sua carteira.

Sem esse cuidado, os investimentos podem se tornar uma fonte de estresse e frustrações. Normalmente, a bolsa é uma opção para quem tem perfil moderado e arrojado. Afinal, são perfis que têm maior abertura ao risco.

Considere os seus objetivos

Quais são os seus objetivos ao investir na bolsa de valores? Algumas pessoas focam em longo prazo, enquanto outras preferem operações mais curtas. Também é preciso ver se o objetivo é ter uma renda recorrente, atingir determinados valores de patrimônio ou outras metas.

A composição da sua carteira precisa considerar seus planos para escolher os investimentos mais adequados. É importante pensar em questões como risco, liquidez e rentabilidade.

Conheça o mercado

Outro ponto essencial é entender o mercado. Sem compreender como as alternativas de investimento funcionam, você terá dificuldades para tomar decisões. Ademais, é necessário saber como negociar na bolsa, como funcionam as operações de compra e venda etc.

Para isso, também será fundamental avaliar os riscos do investimento, assim como o seu potencial de retorno. Aqui, é possível fazer a análise técnica (especulação) ou fundamentalista (longo prazo) para tomar boas decisões de investimento, dependendo de seus objetivos.

Por fim, uma dúvida comum ao tratar desse mercado é como investir na bolsa de valores com pouco dinheiro. Nesse caso, é viável comprar Ações fracionadas – disponíveis no mercado fracionário. Cotas de Fundos de Investimento também são uma forma de diversificar com menor capital.

Fonte: Blog Genial Investimentos