Troca de crédito: uma boa maneira de negociar suas dívidas

Ter dívidas é algo que impede você de realizar sonhos e ter tranquilidade. Independente da origem, a quitação das contas é um passo essencial para sua saúde financeira. Seja uma dívida com o cheque especial, cartão de crédito, parcelas de um carro, imóvel ou outros bens de consumo, a primeira coisa a se fazer é avaliar e tentar renegociá-la junto ao credor.

 

  • RENEGOCIE

Pesquise a melhor forma de trocar a sua despesa pendente por uma que lhe custe menos. Crie uma lista na qual você relacione todas as suas dívidas, aponte o valor total do saldo devedor, o valor da prestação mensal, nome do credor e o Custo Efetivo Total (CET) de cada linha de crédito. O CET mostra todos os encargos incluídos na dívida e é a melhor forma de analisar as taxas cobradas. Organize essa lista a partir da dívida mais cara para a mais barata.

Na renegociação, veja quantas parcelas faltam e proponha pagar em um número menor de vezes, peça uma redução dos juros ou procure pagar à vista. A melhor maneira de conseguir a renegociação é propor o pagamento de várias parcelas de uma só vez.

– Priorize as dívidas essenciais

Água, luz, condomínio ou gás têm prioridade. Depois, negocie as que possuem bens como garantia, como o financiamento imobiliário. Na sequência, as que possuem as maiores taxas de juros do mercado, como o cartão de crédito e o cheque especial e por último, as dívidas que possuem as menores taxas e que não possuem bens como garantia. Os juros do cartão de crédito chegam a 345,8% ao ano e a do cheque especial chega a 220,35%.

  • TROCA DE CRÉDITO

Para os bancos e o Governo, a troca de dívida é chamada de portabilidade de crédito e foi regulamentada pela Resolução nº 4.292. Para os clientes, significa trocar o contrato de crédito atual por um que ofereça melhores condições, seja em relação ao número e valor de parcelas ou aos juros acordados.

  • COMO FUNCIONA?

A portabilidade pode ser solicitada junto à instituição financeira para onde o devedor quer levar a sua dívida. Como as taxas de juros variam muito de uma instituição para outra, você pode aproveitar essa variação para efetuar a troca.

A portabilidade de crédito é diferente de fazer um empréstimo em outro banco, pois com a portabilidade a sua dívida será quitada através de transferência bancária, feita pelo seu novo banco, e não por você.

Na operação de transferência de dívida, não é permitida cobrança de qualquer custo relacionado à transferência dos valores, cobrança de impostos, imposição de contratação de qualquer outro produto ou serviço.

  • FORMAS DE CRÉDITO

Se você vai pegar um empréstimo para quitar suas dívidas, algumas formas são mais indicadas, pois possuem juros baixos e com melhores condições de pagamento:

– Crédito consignado

Essa modalidade de empréstimo é a mais procurada. Por não oferecer grande risco ao banco, tem os menores juros e condições facilitadas de pagamento das parcelas, com taxa de 26,79% ao ano. Neste caso, a parcela é descontada diretamente no salário do indivíduo.

– Empréstimos com garantia

Nesta forma de crédito você pode utilizar bens, como seu carro ou imóvel como garantia. Com isso, você conseguirá parcelas mais baratas. Mas lembre-se: seus bens são a garantia de pagamento que, caso não ocorra, poderão ser tomados pela instituição financeira.

  • ESTABELEÇA OBJETIVOS FUTUROS

Faça compras usando dinheiro ou cartão de débito;

Tenha uma meta de poupança para objetivos futuros e reservas de emergência;

Aprenda novas formas de economizar;

Evite comprar coisas supérfluas;

Anote tudo que você ganha e o que você gasta.

Atenção às compras parceladas. Elas são um dos grandes vilões que te fazem entrar no endividamento. Quando você compra parcelado, você acaba tendo a falsa impressão de que gastou pouco e, além disso, não consegue barganhar por um desconto a mais à vista ao pagar no débito ou em dinheiro.

CONCLUSÃO

Ter dívida, no sentido de ter alguma prestação, é normal, afinal somos consumidores de crédito, mas quando as despesas começam a crescer de maneira desproporcional ao pagamento ou à renda da casa é preciso se preocupar. Faça a portabilidade dos seus débitos, renegocie priorizando as dívidas essenciais e troque sua dívida cara por outra mais barata utilizando formas de crédito recomendadas.

É muito importante ter uma meta quando queremos ter sucesso em alguma coisa. Independente da origem, a quitação das contas é um passo essencial para uma saúde financeira. Estabeleça objetivos futuros para seu dinheiro e pratique novos hábitos.

Até a próxima!

Ricardo Eduardo – Consultores de Economia W1